Saúde e o Espírito

A vida corpórea nos possibilita oportunidades diversas de aprendizado e crescimento, porém nos limita a liberdade que dispúnhamos como espíritos e nos expõe ao peso e fragilidade da matéria.

Mas sabendo da influência que um exerce sobre o outro, por meio de seu elo de ligação, o períspirito, podemos trabalhar meios para que um fortaleça o outro.

Isso implica em descartar uma visão materialista do adoecimento e considerar a influência dos nossos sentimentos e pensamentos em nossa veste carnal.

Obviamente, devemos nos preocupar sim com o nosso corpo e mantê-lo em boas condições para que ele nos possibilite cumprir com nossas tarefas enquanto estamos encarnados. Devemos lembrar de medidas básicas de higiene, de uma alimentação adequada, de atividades físicas regulares, como também de cuidados e avaliações periódicas, necessárias ao nosso organismo.

Mas também, é importantíssimo elevar os nossos pensamentos e manter um padrão vibratório adequado à execução das tarefas às quais estamos incumbidos. A mente concentrada em aspectos nocivos, concentrada em pensamentos orgulhos e egoístas, leva a um desvirtuamento do plano reencarnatório e se fragiliza, em corpo e alma.

Já dizia o espírito André Luiz, na obra de 1958, Evolução em Dois Mundos, a respeito do processo de adoecimento: “(…) as depressões criadas em nós mesmos, nos domínios do abuso de nossas forças, seja adulterando as trocas vitais do cosmo orgânico pela rendição ao desequilíbrio, seja estabelecendo perturbações em prejuízo dos outros, plasmam, nos tecidos fisiopsicossomáticos que nos constituem o veículo de expressão, determinando campos de ruptura na harmonia celular.” E a respeito do processo de cura, nos diz que longos períodos de morbidade também decorrem “quando o enfermo, sem atitude de renovação moral, sem humildade e paciência, espírito de serviço e devotamento ao bem, não consegue assimilar as correntes benéficas do Amor Divino que circulam, incessantes em torno de todas as criaturas.”
Fica claro então, que mesmo os processos de adoecimento, aparentemente fora de nosso controle, e muitas das vezes, visto pelo espírita como decorrente de expiação por erros cometidos em encarnações passadas, tem causa na encarnação atual. Um padrão vibratório inadequado transmitido ao períspirito, e por sua vez, ao nosso organismo.

Porém, no momento em que todos nós aprendermos a cuidar do corpo e do espírito, a doença se tornará apenas uma lembrança, uma memória dos tempos em que sofrimento e dor nos acompanhavam dia a dia.
Lembrem-se disso, meus irmãos: o corpo é instrumento abençoado emprestado pelo nosso Pai e o espírito é chama que vivifica o corpo!

Carlos Alberto da Silva Frias Neto
Presidente da Associação Médico Espírita do Maranhão (AME Maranhão)