A força curativa da alma

Ação Social

Ação Social

A “Organização Mundial de Saúde” (OMS) define a saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”. Partindo desse conceito podemos dizer que nunca estamos saudáveis, pois mesmo quando estamos sem queixas físicas, podemos dizer que nossos aspectos mental e social estão perfeitos?

Como nosso estado social pode estar equilibrado se vivemos em um mundo cheio de injustiças sociais?

Como nossa mente pode estar equilibrada, se nosso espírito ainda em processo de evolução encontra-se encarnado em um mundo de provas e expiações?

Embora a evolução seja obra do esforço individual e da passagem pela porta estreita, ninguém evolui sozinho!

O espiritismo, a exemplo de Jesus, “o melhor e maior modelo dado por Deus aos homens”, estimula a prática constante do bem ao semelhante.

As curas realizadas pelo Cristo Jesus retratavam a ação curativa do mal físico, mas também demonstravam a responsabilidade social do Mestre. Um dos exemplos dessa afirmativa é a cura dos dez leprosos.

“E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passou pelo meio da Samaria e da Galileia; 12 E, entrando numa certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez homens leprosos, os quais pararam de longe, 13 E levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós.

14 E ele, vendo-os, disse-lhes: Ide e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, indo eles, ficaram limpos. Lc 17:11-14

Jesus não os curou apenas, mas os mandou ao sacerdote, pois nessa época era ele, o sacerdote, quem possuía o poder de reinserir uma pessoa curada à sociedade. Isso demonstra que o Cristo fazia o Bem por inteiro!

E nós? De que forma fazemos o Bem?

O Bem realizado em prol do semelhante é o maior e melhor advogado da criatura em todas as circunstâncias da vida. Quando o ser se esforça para se reconectar ao Amor, essência da vida, todo o universo conspira em seu favor, estimulando-o e auxiliando-o no que se fizer necessário, visto que esse é o movimento fundamental da cura.

Um trabalho científico, com metodologia adequada, publicado em 2003, realizado em uma igreja presbiteriana dos USA com 2016 membros, demonstrou que ato de oferecer ajuda aos semelhantes foi o mais importante previsor de saúde, mais até do que recebê-la.

“Toda vez que a justiça nos procure para acerto de contas, se nos encontra trabalhando em benefício do próximo, manda a misericórdia divina que a cobrança seja suspensa por tempo indeterminado”

Emmanuel

Mas isso não significa que há anulação do compromisso perante a Lei, mas sim oportunidade de exoneração e reparação do mal pelo bem, sem a necessidade expressa do sofrimento e da dor para o reequilíbrio perante a consciência e a vida.

Quantas vezes temos oportunidade de praticar uma boa ação e nos furtamos! Mal sabendo que aquela era a oportunidade de “nos livrarmos do mal”, como tantas vezes repetimos na oração que o Pai nos ensinou. E quando oramos assim, achamos que o livramento do mal consiste na presença dos bons espíritos, nossos protetores, nos auxiliando. Mas como eles vão se aproximar de nós, se não fazemos por merecer? E aí nós nos lamentamos de estarmos doentes, ou sofrendo com as tribulações.

Porém quando ocorre o contrário e os Espíritos Superiores percebem a nossa vontade em buscar a cura, servindo a vida, esforçam-se de todas as maneiras para nos ajudar, aumentando em nós a resistência íntima que nos levará à cura, e a força moral para superarmos nossas imperfeições, disponibilizando recursos fluidoterápicos de socorro e alívio, permanentemente.

“ Em casos especiais quando o homem não dispõe de créditos que lhe facultem o restabelecimento da saúde – tendo em vista a divina misericórdia de acréscimo, que examina a sua possível reabilitação espiritual, laborando pelo bem de todos, a cujo esforço se recupera dos males antes praticados- uma ação magnética, psíquica ou fluídica de alta potência pode modificar o quadro de enfermidade, revitalizando os implementos celulares, que volvem a harmonia vibratória, produzindo o equilíbrio do corpo ou da mente.

Tal ocorrência, no entanto, onera, mais ainda, o beneficiário, que passa a viver sob condição de moratória de grande e grave significação”

Carneiro de Campos

Diante dessa dívida prolongada só nos resta seguir a orientação dos espíritos na questão 642 do Livro dos Espíritos:

Para agradar a Deus e assegurar a sua posição futura, bastará que o homem não pratique o mal?

“Não; cumpre-lhe fazer o bem no limite de suas forças, porquanto responderá por todo mal que haja resultado de não haver praticado o bem.”

E se completa com a questão 643:

Haverá quem, pela sua posição, não tenha possibilidade de fazer o bem?

“Não há quem não possa fazer o bem. Somente o egoísta nunca encontra ensejo de o praticar. Basta que se esteja em relações com outros homens para que se tenha ocasião de fazer o bem, e não há dia da existência que não ofereça, a quem não se ache cego pelo egoísmo, oportunidade de praticá-lo. Porque, fazer o bem não consiste, para o homem, apenas em ser caridoso, mas em ser útil, na medida do possível, todas as vezes que o seu concurso venha a ser necessário.”

Portanto, irmãos, a força curativa da alma é a Caridade, o Bem realizado! E para isso vencer o egoísmo é o nosso maior desafio, viver a abnegação, na essência da palavra, negar-se a si mesmo, em prol do próximo!

E novamente o Livro dos Espíritos nos mostra a direção da verdadeira abnegação na questão 886:

Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?

“Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.”

Que o Amor do Cristo permaneça entre nós!

Wildete Carvalho Mayrink (Centro de Vivências Espíritas –CVE- Pouso Obras Socias)

Referências:

  • Moreira, A; Cura e Autocura – uma visão médico-espírita. 2010. Editora AME – MG
  • Franco, D; Souza,NP; A serviço do espiritismo pp115-116
  • Kardec,A; O livro dos espíritos.
  • Silveira,A; Momentos com Chico Xavier.
  • Bacceli, C; Amai-vos e Instruí-vos, pp114-115